Terapeutica Hormonal - Cancro da Mama

Terapêutica Hormonal

Hormonoterapia ou terapêutica hormonal, também chamada de terapêutica endócrina, é usada em todas doentes com cancro da mama e recetores hormonais positivos.

O objetivo da hormonoterapia (HT) ou terapêutica hormonal é diminuir os efeitos do estrogénio em cancros mama recetores hormonais positivos, também chamados de hormonodependentes. Existem vários tipos de HT, alguns em forma de comprimidos outros injeção:

  • SERMs (moduladores seletivos do recetor de estrogénio), como o Tamoxifeno, bloqueiam o recetor de estrogénio nas células da mama e impedem a ligação do estrogénio a este recetor;
  • SERDs (Diminuição seletiva do recetor de estrogénio), como o Fulvestrant, além de bloquearem o recetor também diminuem a quantidade de recetores presentes nas células;
  • Inibidores da Aromatase reduzem a produção de estrogénios nos outros tecidos que não os ovários; são exemplos o Letrozol, o Anastrozol e o Exemestano;
  • Supressão da função ovárica, através de análogos da hormona libertadora de gonadotropina ou através de cirurgia de remoção dos ovários, diminuem a produção de estrogénios com origem nos ovários.

Em doentes pré-menopáusicas, que ainda não atingiram a menopausa, o tratamento escolhido é habitualmente o tamoxifeno durante 5 a 10 anos. Em alguns casos, pode ser proposta a supressão da função ovárica em combinação com tamoxifeno ou inibidores da aromatase.

Doentes pós-menopáusicas podem ser tratadas com tamoxifeno ou inibidores da aromatase, estes últimos que podem ser usados logo desde o início ou após 2-3 ou 5 anos de tratamento com tamoxifeno.

PT-KEY-00264 05/2020

msd Com o apoio de: Associação de enfermagem oncológica Portuguesa Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro Associação Portuguesa de Urologia Europacolon Portugal – Apoio ao Doente com Cancro Digestivo Grupo Português Génito-Urinário Liga Portuguesa contra o cancro Sociedade Portuguesa de Anatomia Patológica
Pulmonale